top of page

Eu escrevo...

Eu escrevo desde que aprendi a formar sílabas. Mamãe diz que eu escrevia até quando eu rabiscava cores e formas.

A solidão que meu eu criança sentia, amenizou o arder da alma quando passei a juntar letras, foram minha melhor companhia. Quando vogais e consoantes estavam juntas, falavam por mim sem que eu precisasse emitir qualquer som. E os livros eram o meu único meio de transporte enquanto exorcizavam minha existência.


Compartilhar meus escritos nunca foi um desejo, eu só queria escrever o que estava inundando minha mente. O fluxo contínuo de pensamentos muitas vezes não permitia que eu fosse uma garota normal, quando eles escapuliam pela minha boca sempre me colocavam em enrascadas inimagináveis. Colocá-los no papel era um alívio. Eu escrevia, escrevia e escrevia até à exaustão, depois flutuava, esperando os minutos em que tudo se repetiria.


Quando eu guardava frases inteiras dentro de mim, era como implodir com feridas abertas e sangrar onde ninguém via; meu eu de dentro, ossos, veias e coração pulsante, paralisavam seu funcionamento, como um aviso de que eu precisava descarregar nas folhas em branco minha sujeira, afeto, confusão, luz e escuridão.

Criar histórias sobre mundos fantásticos e felizes não foi o que a vida me moldou para contar. Como ser errante que sou, andei nessa estrada de flores e finais felizes por um tempo, mas não era eu com o lápis na mão, era alguém de máscara em um baile de carnaval.

Eu sou feita de dor, coberta de remendos com cicatrizes antigas e novas. Meu sangue ferve com o feio e meu estômago borbulha com pequenos delitos.

Eu quero falar da moça violada e da velha ranzinza, do ateu sem alma e do que tem a pele coberta de cicatrizes grotescas. Quero explorar o ordinário, o esquecido, o invisível. Falar por quem não tem voz, nem ouvidos. Dizer o que ninguém quer ouvir… Minhas palavras são para eles, é como quero existir.

Enquanto eu for agonia, palavras brotarão de mim.

✍🏻: Lilli Dantas

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Maturidade

Eu tinha a crença que todo idoso era sábio, como se os idiotas não envelhecessem. Acho que isso é culpa da minha avó Elisa e dos poucos idosos que convivi enquanto crescia, alguns eram notáveis. A exe

Temos nosso próprio tempo

Se eu tivesse o poder de dizer algo a todas as pessoas, não gritar aos quatro cantos do mundo sem saber se seria ou não ouvida, mas segurando suas mãos firmemente e olhando em seus olhos, eu diria: Re

Dor

Quando meu coração está partido e sinto dores profundas a ponto de não conseguir respirar, eu escrevo. De início, as palavras saem como lâminas afiadas, cortantes e espinhosas, endurecidas de sarcasmo

Comments


bottom of page